• Governo lança esta quarta-feira programa “Start-up Jovem”

    Governo lança esta quarta-feira programa “Start-up Jovem”

  • Dentro de três anos Cabo Verde terá campus universitário de países  desenvolvidos

    Dentro de três anos Cabo Verde terá campus universitário de países...

  • Cabo Verde participa no 1º Concurso Internacional de Robot em Washington

    Cabo Verde participa no 1º Concurso Internacional de Robot em...

  • ldeias Infantis SOS e Uni-CV assinam acordo de cooperação

    ldeias Infantis SOS e Uni-CV assinam acordo de cooperação

  • Uni-CV lança   primeira pedra para a construção do novo Campus

    Uni-CV lança primeira pedra para a construção do novo Campus

Programas em Destaque

JUN.
22

22-06-17 12:00 - 12:05

JUN.
22

22-06-17 12:30 - 12:59

JUN.
22

22-06-17 13:10 - 13:30

JUN.
22

22-06-17 15:00 - 17:59

JUN.
22

22-06-17 18:00 - 18:04

JUN.
22

22-06-17 18:05 - 18:10

Lider nos rankings internacionais de educação, Cingapura se prepara para introduzir reformas no seu sistema educacional, se concentrando em uma postura mais positiva dos alunos e em sua capacidade de enfrentar adversidades.


Lim Lai Cheng, ex-diretora da renomada escola de ensino médio Raffles Institution e atual diretora da Universidade de Administração de Cingapura, explica a iniciativa:

Não foi por acaso que Cingapura criou um dos sistemas educacionais de melhor desempenho no mundo nas últimas cinco décadas. Reminiscente do processo de seleção de mandarins (burocratas) da China Imperial, o modelo sempre apostou no foco em credenciais acadêmicas, no mérito e no acesso universal.

O fato de ser um sistema centralizado ajudou Cingapura a criar coesão social, uma unificação de ações e objetivos entre as escolas e um padrão de trabalho duro que muitas nações invejam.

No entanto, o propósito do sistema mudou, e a Cingapura de 2017 não é mais o que era em 1965 (quando o então território separou-se da Malásia e tornou-se um país independente).

As escolas se tornaram espaços estratificados e competitivos. Famílias com renda mais alta têm mais capacidade de oferecer às crianças atividades extra, fora da escola, como aulas de reforço em matemática e em inglês, dança e música.

Os que não podem arcar com esses custos dependem da motivação individual das crianças e dos recursos oferecidos pela própria escola para recuperar um possível atraso.

A divisão social no país está cada vez maior, porque as práticas do sistema educacional baseadas no princípio da meritocracia que renderam elogios a Cingapura não promovem mais a mobilidade social como deveriam.

Está em curso um trabalho para combater tudo no sistema que esteja prejudicando a coesão social. E dessa vez não vai ser suficiente apenas desenvolver uma força de trabalho altamente qualificada para se conectar à economia global.

Essa atualização terá de assegurar que o país possa criar uma sociedade mais justa, construa um sólido pacto social entre seus cidadãos e, ao mesmo tempo, desenvolva suas capacidades para a nova economia digital.

As políticas estão se distanciando da obsessão nada saudável de pais e alunos por notas e vagas nas melhores escolas e enfatizando a valores e princípios. Escolas estão sendo encorajadas, especialmente as do ensino fundamental, a riscar do currículo exames padrões e focar no desenvolvimento integral da criança.

"Avaliações de comportamento" e "diários de aprendizagem" tornaram-se básicos em muitas escolas primárias, para permitir que pais acompanhem o progresso social e o desenvolvimento dos filhos.

Várias escolas também adotaram uma abordagem mais centrada no bem-estar, como defende Martin Seligman, director do Centro de Psicologia Positiva na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

O modelo proposto por Seligman sustenta que o sucesso acadêmico e o bem-estar formam uma dupla hélice, e que a melhor educação deve ensinar crianças sobre valores e caráter bem como a interagir com outras pessoas, estabelecer metas para elas mesmas e trabalhar para alcançar esses objetivos.

A "educação positiva", movimento que está ganhando impulso em todo mundo, trabalha para criar uma cultura escolar de relações baseadas em atenção e confiança.

O foco está em desenvolver habilidades emocionais, intelectuais e encorajar um estilo de vida mais saudável. E tem funcionado bem em escolas que vem implementando programas de cidadania educacional nos últimos três anos.
Um importante segmento desse novo currículo é o tempo para a família e como os pais têm um papel importante ao embutir certos valores nas crianças.

Mais flexibilidade
No ensino médio do país, programas ensinam jovens a serem mais empáticos, socialmente responsáveis e ativos em suas comunidades, estimulando o trabalho com idosos, migrantes e crianças em creches - cujos pais trabalham em tempo integral.

Também houve iniciativas pedindo que escolas e faculdades tivessem um processo de admissão mais flexível, com a avaliação de qualidades como motivação, resiliência e entusiasmo.

Em nome da equidade, o Ministério da Educação também tentou distribuir recursos de forma mais uniforme em todas as escolas, promoveu um rodízio de diretores mais experientes naquelas que precisam de mais atenção e cuidou mais de perto dos alunos academicamente mais fracos, fortalecendo o treinamento vocacional e de habilidades específicas.

De forma geral, as autoridades defendem uma definição mais ampla de sucesso, que vá além das notas acadêmicas.

Mídia e escolas de elite têm sido desencorajadas de fazer propaganda de seus melhores alunos e suas respectivas conquistas acadêmicas.

Neste sentido, há uma iniciativa nacional chamada SkillsFuture ("habilidades do futuro"), que dá 500 dólares cingapurenses (cerca de R$ 1,1 mil) a cada jovem de 25 anos ou mais para serem gastos em algum aprendizado, aprimoramento pessoal ou investir em alguma paixão pessoal.

Um banco de dados online facilmente acessível oferece mais de 10 mil cursos a cidadãos de Cingapura para que possam ampliar ou aprofundar certas habilidades ou mesmo testar novos hobbies.

Orientadores acadêmicos e de profissões também estão disponíveis para todos os níveis - do fundamental ao superior - para estimular a autoconsciência, autodireção e habilidades de vida dos alunos.

Conselheiros ajudam estudantes a explorar opções acadêmicas e profissionais. Eles devem ser capazes de oferecer informações sobre as habilidades necessárias num ambiente de economia digital de forma que estudantes possam ir além do aprendizado adquirido com provas e testes.

Trata-se de uma abordagem mais suave, enfatizando valores e princípios e tentando aprimorar o elo entre escola e trabalho. É a busca para a próxima fórmula da educação em Cingapura.

Lim Lai Cheng é diretora-executiva da SMU Academy, na Universidade de Administração de Cingapura, ex-diretora da escola Raffles Institution e consultora do conselho do Winter's International School Finder.

DB/g1.globo.