• Santo Antão: Governo analisa condições de operacionalização do ensino superior na ilha – primeiro-ministro

    Santo Antão: Governo analisa condições de operacionalização do...

  • O que é a universalização do acesso à educação pré-escolar no sistema educativo formal?

    O que é a universalização do acesso à educação pré-escolar no...

  • Conselho do Ministério da Educação serviu para se criar condições para iniciar  ano letivo 2017/2018 normalmente

    Conselho do Ministério da Educação serviu para se criar condições...

  • Ministério da Educação organiza escolas em agrupamentos educativos

    Ministério da Educação organiza escolas em agrupamentos educativos

  • Grupo Caetano Retail apoia nove jovens das Aldeias SOS no acesso ao ensino superior

    Grupo Caetano Retail apoia nove jovens das Aldeias SOS no acesso ao...

Programas em Destaque

AGO.
18

18-08-17 06:00 - 06:59

AGO.
18

18-08-17 07:00 - 07:20

AGO.
18

18-08-17 07:30 - 07:35

AGO.
18

18-08-17 07:55 - 07:59

AGO.
18

18-08-17 08:00 - 10:59

AGO.
18

18-08-17 12:00 - 12:05

Construída em tempo recorde e a funcionar há apenas três meses, a Escola Portuguesa de Cabo Verde está a registar grande procura, com cada vez mais pedidos de reserva de vagas para o próximo ano letivo.

A escola será inaugurada oficialmente, segunda-feira, pelo primeiro-ministro António Costa, no âmbito da sua deslocação a Cabo Verde para a quarta cimeira bilateral entre os dois países.

O projeto, um sonho de décadas da comunidade portuguesa, arrancou em julho e as aulas começaram a 14 de novembro com o edifício praticamente na estrutura, sem água e sem eletricidade.

Passados três meses, o barulho das serras e berbequins ainda se confunde, pontualmente, com os risos e as correrias das crianças, mas o edifício está irreconhecível com as oito salas de aulas e de informática, a biblioteca e o refeitório completamente funcionais.

Com vista para o mar, o recreio, onde recentemente foi instalado um parque infantil, tornou-se na zona preferida dos 29 alunos que frequentam a escola, número que já aumentou desde o início das aulas quando eram apenas 23, distribuídos por três turmas: uma mista (1.º e 2.º anos) do 1.º ciclo e duas de pré-escolar.

Em declarações à agência Lusa, a diretora da escola, Suzana Maximiano, mostrou-se "muito satisfeita com os resultados", dando conta do interesse crescente que o novo estabelecimento de ensino tem vindo a suscitar junto de pais e alunos.

Situado na zona da Cidadela, na cidade da Praia, o edifício, construído num terreno cedido pela autarquia, faz parte da primeira fase do projeto global da escola, que quando estiver concluída assegurará o ensino curricular português até ao 12º ano de escolaridade.

 

Suzana Maximiano, a maior entusiasta do projeto, acredita que o facto de as pessoas pensarem que "era impossível construir uma escola desta envergadura em três meses" e de os alunos já estarem integrados em outras escolas levou a que muitos pais decidissem não inscrever os filhos.

"Não foi tarefa fácil, mas foi conseguido com equipas muito boas [...] e com muitas ajudas das entidades cabo-verdianas. Tudo que era preciso do Governo, da câmara foi sempre agilizado da melhor forma e conseguimos este feito que aqui temos em tempo recorde", disse.

Com a primeira fase praticamente concluída, está prevista e orçamentada ainda para este ano a construção de mais um módulo, correspondente à segunda fase, segundo disse em dezembro, durante uma visita à escola, a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão.

DB. com Noticiasao Minuto.pt