• ESTS quer maior envolvimento dos pais e encarregados de educação na vida escolar dos filhos

    ESTS quer maior envolvimento dos pais e encarregados de educação na...

  • Clássico da literatura brasileira “O Mulato” adaptado em banda desenhada

    Clássico da literatura brasileira “O Mulato” adaptado em banda...

  • ME disponibiliza manuais escolares para acesso e download gratuitos numa parceria com a CV Telecom e Unitel T+

    ME disponibiliza manuais escolares para acesso e download gratuitos...

  • Maioria dos casos de abandono escolar na ESM, na ilha do Fogo, está ligada a questão a emigração, principalmente para os EUA

    Maioria dos casos de abandono escolar na ESM, na ilha do Fogo, está...

  • Jornada sobre legado de Amílcar Cabral e seus contemporâneos marca Dia da Literatura Inglesa na Uni-CV

    Jornada sobre legado de Amílcar Cabral e seus contemporâneos marca...

Programas em Destaque

DEZ.
17

17-12-17 21:00 - 21:59

DEZ.
17

17-12-17 23:45 - 23:45

DEZ.
18

18-12-17 06:00 - 06:59

DEZ.
18

18-12-17 07:00 - 07:29

DEZ.
18

18-12-17 07:30 - 07:35

DEZ.
18

18-12-17 07:55 - 07:59

×

Alerta

JUser: :_load: Não foi possível carregar o utilizador com o ID: 130

Construída em tempo recorde e a funcionar há apenas três meses, a Escola Portuguesa de Cabo Verde está a registar grande procura, com cada vez mais pedidos de reserva de vagas para o próximo ano letivo.

A escola será inaugurada oficialmente, segunda-feira, pelo primeiro-ministro António Costa, no âmbito da sua deslocação a Cabo Verde para a quarta cimeira bilateral entre os dois países.

O projeto, um sonho de décadas da comunidade portuguesa, arrancou em julho e as aulas começaram a 14 de novembro com o edifício praticamente na estrutura, sem água e sem eletricidade.

Passados três meses, o barulho das serras e berbequins ainda se confunde, pontualmente, com os risos e as correrias das crianças, mas o edifício está irreconhecível com as oito salas de aulas e de informática, a biblioteca e o refeitório completamente funcionais.

Com vista para o mar, o recreio, onde recentemente foi instalado um parque infantil, tornou-se na zona preferida dos 29 alunos que frequentam a escola, número que já aumentou desde o início das aulas quando eram apenas 23, distribuídos por três turmas: uma mista (1.º e 2.º anos) do 1.º ciclo e duas de pré-escolar.

Em declarações à agência Lusa, a diretora da escola, Suzana Maximiano, mostrou-se "muito satisfeita com os resultados", dando conta do interesse crescente que o novo estabelecimento de ensino tem vindo a suscitar junto de pais e alunos.

Situado na zona da Cidadela, na cidade da Praia, o edifício, construído num terreno cedido pela autarquia, faz parte da primeira fase do projeto global da escola, que quando estiver concluída assegurará o ensino curricular português até ao 12º ano de escolaridade.

 

Suzana Maximiano, a maior entusiasta do projeto, acredita que o facto de as pessoas pensarem que "era impossível construir uma escola desta envergadura em três meses" e de os alunos já estarem integrados em outras escolas levou a que muitos pais decidissem não inscrever os filhos.

"Não foi tarefa fácil, mas foi conseguido com equipas muito boas [...] e com muitas ajudas das entidades cabo-verdianas. Tudo que era preciso do Governo, da câmara foi sempre agilizado da melhor forma e conseguimos este feito que aqui temos em tempo recorde", disse.

Com a primeira fase praticamente concluída, está prevista e orçamentada ainda para este ano a construção de mais um módulo, correspondente à segunda fase, segundo disse em dezembro, durante uma visita à escola, a secretária de Estado Adjunta e da Educação, Alexandra Leitão.

DB. com Noticiasao Minuto.pt