• Coordenadores pedagógicos do ensino básico  participam na  formação sobre  prevenção do uso de substâncias psicoativas

    Coordenadores pedagógicos do ensino básico participam na formação...

  • Cerca de 45 % de alunos cabo-verdianos assume contacto com bebidas alcoólicas

    Cerca de 45 % de alunos cabo-verdianos assume contacto com bebidas...

  • "Uns erros não justificam outros"- Presidente da República

  • "Uns erros não justificam outros"- Presidente da República

  • Ministério da Educação e Associação Black Panthers assinam protocolo de parceria

    Ministério da Educação e Associação Black Panthers assinam protocolo...

Programas em Destaque

OUT.
18

18-10-17 15:00 - 17:59

OUT.
18

18-10-17 18:00 - 18:05

OUT.
18

18-10-17 18:30 - 18:59

OUT.
18

18-10-17 19:00 - 19:29

OUT.
18

18-10-17 19:30 - 19:45

OUT.
18

18-10-17 20:30 - 20:50

Ao contrário do que se acreditava, o estado de vulnerabilidade experimentado por quem admite um erro, pode gerar uma queda na autoestima e diminuir a sensação de felicidade que deveria acompanhar o pedido de desculpas.

 

De acordo com o estudo publicado na revista "European Journal of Social Psychology" a ideia de que assumir a culpa por um erro faz a pessoa mais feliz é algo completamente errado. Em geral, essas pessoas sentem-se mais vulneráveis e prefeririam não ter que assumir responsabilidade sobre o ocorrido.

A maioria dos pais não está gostando  dessa história. Quem tem filhos sabe que um dos argumentos-chave para extrair a verdade de uma criança é assegurar que ela irá sentir-se muito melhor após a ‘confissão’.

Tyler G. Okimoto, um dos responsáveis por esse estudo, acredita que a educação das crianças deve partir de outro princípio, e não da ideia egoísta de que pedir desculpas é melhor.

Mesmo que não pedir desculpas faça com que as pessoas se sintam melhores é importante ensinar que o ato de desulpar-se melhora as relações interpessoais e estabelece laços mais resistentes de afetividade entre os envolvidos.

DB.